Jovens em campo no agronegócio | YAMI
YAMI - youth agribusiness movement international
Jovens em campo no agronegócio
02/07/2022

Jovens em campo no agronegócio

Todos querem saber de onde vêm os mitos contra o setor, segundo Xico Graziano.

A Farsul (Federação de Agricultura do Rio Grande do Sul) promoveu, na semana passada, uma incrível reunião. Colocou cerca de 500 jovens junto com 70 antigos presidentes de sindicatos rurais. Misturou a experiência com o idealismo.

Em um mesmo salão, durante 1 dia e meio se desenvolveram variadas atividades de aprendizado técnico, conscientização política, comunicação e cooperação. O mote do evento era a defesa do agro.

Todos nós, ligados ao campo, andamos muito incomodados com seguidas agressões vindas de gente famosa contra a nossa agricultura. Seja na questão dos agrotóxicos e no desmatamento, seja na criação de animais e no consumo de carnes, volta e meia algum artista tasca uma baboseira que ganha notoriedade nas redes sociais.

Depreciam o valor da agricultura nacional. Funciona como se anos de trabalho sério e muito suor e dedicação dos produtores rurais fossem jogados fora, desprezados pela sociedade urbana. Um tapa na cara da moderna ciência agrária.

Com esse espírito, entre irritados e desafiados, aquela plateia em Gramado (RS) ouviu atenta a apresentação da jovem zootecnista Rafaela Cotrim, autora de um surpreendente livro intitulado “Pecuária, a verdade por trás das histórias que lhe contaram”. Defensora das recentes regras do bem-estar animal e promotora do abate humanitário, Rafaela exortou o pessoal a reagir, dizendo que a pecuária tecnológica não tem o que esconder.

Esse é o ponto. Antigamente as atividades rurais eram primárias e predatórias. Hoje surgiram novos conceitos e práticas sustentáveis. Mas, claro, estamos numa transição. Há ainda, na rabeira, quem continue fazendo tudo errado. E existem, na ponta, os produtores que comandam a transformação no campo.

Gerenciamento de conflitos e comunicação não-violenta foi o tema desenvolvido por Wesley Ribeiro, especialista em cultura e inovação do Sebrae-RS. O brilhante professor mexeu com a galera quando sugeriu convidar a cantora Anitta para o próximo evento da Farsul Jovem.

Ao perguntar, naquele imenso auditório, quem concordava com sua inusitada proposta, percebia-se que ninguém sabia ao certo se levantava a mão ou permanecia quieto. Afinal, como tratar aqueles artistas que rebaixam a imagem do agro?

Modestamente, minha colaboração no encontro recaiu sobre a importância do conhecimento científico e da boa informação técnica na compreensão da realidade rural. Para enfrentar os mitos e apresentar os fatos.

Fácil de falar, mas difícil de funcionar. Ocorre que por trás das imprecações contra as virtudes do agro, se escondem preconceitos, ideologias e interesses mercadológicos. Por isso, nem sempre a correta informação resolve o problema da comunicação.

De onde vêm os mitos? É o que todos querem saber.

Começam pela escola. Desgraçadamente os livros didáticos das instituições de ensino brasileiras estão eivados de velhacarias trazidas do passado escravagista e latifundiário de nossa agricultura, sem nenhuma conexão com a realidade atual.

Nos bancos escolares se alimentam os mitos contra a moderna agropecuária brasileira. Depois, eles se contaminam pelo jogo da política, ou se recheiam pelas causas naturalistas, próprias da elite da sociedade. Intelectuais adoram esse movimento regressivo da esquerda caviar.

O que fazer?

Simplesmente contar a nossa história, falando a verdade. É o que tenho defendido nessas plateias pelo país afora. O agro moderno e tecnológico precisa ser mostrado por aqueles que o praticam, utilizando a linguagem das redes sociais.

Por exemplo, quando subir no trator para pulverizar inseticida contra uma praga, mostrar como se utiliza a tecnologia correta de controle fitossanitário.

Se faz a proteção da mata ciliar da propriedade, gravar um vídeo para indicar a recuperação da biodiversidade local. Se trata o gado sem sofrimento no curral, criar uma mensagem para explicar o respeito animal.

Há uma dificuldade. E aqui reside a força do inédito encontro promovido pela Farsul em Gramado: quem sabe conversar na rede são os jovens agricultores e não a velha guarda ruralista. Sem qualquer demérito, tem a ver com geração.

Conclusão: só a renovação dos líderes rurais será capaz de estabelecer uma nova conexão do agro com os formadores de opinião citadinos. No mínimo, exigir respeito por quem produz a comida do povo.

Sim, eu convidaria a Anitta para comer um churrasco daqueles que só os gaúchos sabem fazer. Dava-lhe um mate quente, tocava uma música sertaneja e puxava uma prosa caipira. Talvez lhe falte isso, uma oportunidade de conhecer a raiz do Brasil.

Se ela quisesse cantar um funk, paciência. Afinal, uma boa causa exige sacrifício.

Fonte: Poder 360

Cadastre-se em nosso mailing!

Cadastre-se em nosso mailing!

E fique por dentro das novidades do Yami.